No Brasil, os serviços de contabilidade são muito importantes para empresas de prestação de serviço e prestadores de serviços individuais, confira

Todas as empresas regulamentadas dentro de um cadastro de pessoa jurídica, o famigerado CNPJ, tem por obrigação possuir um contador responsável pelos balanços financeiros periódicos. Seja, ou não, prestadora de serviço, a empresa tem uma responsabilidade legal de possuir consigo um serviço de contabilidade competente, mas a pergunta fica é: e se não fosse o artigo 1.179 da Constituição Nacional, será que os prestadores de serviço dariam tanta importância à contabilidade?

Bem, pelo menos deveriam. Muito além dos balancetes, as empresas de contabilidade podem interferir positivamente na estratégia operacional da empresa de prestação de serviços. Além disso, de forma prática, o conhecimento jurídico da contabilidade simplifica processos burocráticos e encurta caminhos geralmente enfadonhos, além de garantir, num processo de custo-benefício, a representatividade de lucro, devido a um recuo nos gastos e utilização estratégica dos recursos financeiros.

A primeira relação entre prestadores de serviço e contabilidade

A primeira relação entre prestadores de serviço e contabilidade está no CNPJ. Porém, alguns prestadores de serviço atuam dentro da informalidade e não possuem o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica e a sua atuação como pessoa física derruba a obrigatoriedade do suporte do contador. Porém, essa economia muitas vezes podem ser o barato que sai caro e essa negligência contábil pode embarreirar, e muito, suportes de desenvolvimento que gerarão bons retornos com poucos esforços. É aí que a relação custo-benefício vai para o buraco.

Regimes tributários

Simples nacional, Lucro Real e Lucro Presumido, são essas modalidades que a empresa pode se enquadrar, a partir do momento em que abre o seu CNPJ. Mas engana-se que é só escolher uma das modalidades tributárias, como se escolhe a bolacha na prateleira do supermercado. Cada modalidade depende do porte da empresa de prestação de serviço e a contabilidade possui conhecimento estratégico o suficiente para adaptar o regime tributário dentro da realidade financeira e de arrecadação da empresa, a sua postura atual e os seus projetos posteriores.

A variação do regime tributário tem muito a ver com a segmentação e a atuação da empresa no mercado, recolhimento de impostos e tudo mais. Ter uma empresa específica de contabilidade para dar esse suporte diminui em 200% a dor de cabeça do empresário com questões burocráticas legais.

O que resta à contabilidade

Impostos. É isso que resta alinhavar entre contabilidade e prestadores de serviço. Você certamente já ouvir falar dessas siglaszinhas: PIS, COFINS, ISS, ICMS, IRPJ, CSLL e as suas mínimas variações não mudam o fato de que cifrões sairão da sua empresa fruto desses impostos.

Um exemplo é o ISSO, de 2 a 5%  variável entre o segmento de atuação, caberá a contabilidade arcar com a realização desse calculo e entrega dessa informação estratégica à empresa. A especialidade da contabilidade é prestar serviços de contabilidade para a sua empresa de prestação de serviço e essa relação entre as duas partes é fundamental no desenvolvimento do processo de preparação estratégica.

Por fim, convenhamos que a formalização da empresa de prestação de serviço é um passo muito importante, tanto quanto o acesso da contabilidade, agora, prescrito legalmente, mas muito maior do que determinada obrigação profissional, fazendo parte da construção estratégica da empresa.

Fale Conosco

Ligue para nós